Páginas

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

OLHAR A TELEVISÃO PROATIVAMENTE


A minha mãe

   — Não aturo tanta publicidade a interromper os filmes — comentou ele quando depois de dez minutos de passarem filme, houve outra pausa de sete minutos.
   — Então, olha a televisão proativamente — disse a mãe anciã sem deixar de tricotar
   — Proativamente? — perguntou ele.
   — Embora sejas meu filho e por cima catedrático de universidade, és bem fato, meu. Quero dizer: «Baixa o volume do aparelho durante os anúncios...»

Frantz Ferentz, 2015

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

DESTRADUZINDO


Resultado de imagen de sprachen
A tradutora aceitou a tradução daquele livro porque sabia que seria o trabalho da sua vida. Desde havia anos, esperava por uma oportunidade assim, pois sabia que a tradução daquele livro tão importante, o romance dum ganhador do prémio Nobel, faria dela a tradutora mais procurada do país.


Começou o seu trabalho com entusiasmo, mas quando chegou ao capítulo 3, descobriu que o capítulo 1 voltou a aparecer na língua original no seu computador. Achou que talvez fosse uma falha informática. Deixou estar a coisa e prosseguiu. Quando chegou ao capítulo 6, descobriu que o capítulo 2 também se tinha destraduzido. Voltou para trás. Se fosse um problema informático, ela não sabia como resolver. Voltou a traduzir os capítulos 1 e 2, mas então descobriu com horror que o 4 e o 5 também se destraduziram.

Desde então, por cada dois capítulos que traduzia, outros dois se destraduziam. A tradução do romance não avançava, a tradutora chorava desesperada. Aquele era o trabalho mais importante que ia receber em toda a sua carreira e não avançava. Chorando, ligou para um colega e contou-lhe:

— Oi, a cada dois capítulos que traduzo, outros dois destraduzem-se. O que achas?

— Acho que é normal —respondeu ele—. És tu mesma que os destraduzes, porque de facto não queres que essa tradução acabe, queres que dure para sempre.

— Mas que estás a dizer, Ulisses?

— Estou a dizer a verdade, Penélope...

Frantz Ferentz, 2015

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

O ANÚNCIO NAS REDES SOCIAIS



O Teddy carregou a foto do velhote no seu perfil e escreveu: «Este é o Carlos, um ancião perdido no bairro de São Felício. Se alguém o vir, contate comigo: teddy_9065@gmail.com. Ele tem demência senil. Obrigado». Imediatamente, sob a foto começaram a aparecer comentários desejando sorte ao Teddy para encontrar o Carlos, cujos olhos tenros chamavam a atenção.

"Oxalá houvesse mais pessoas como você"

"Que exemplo de amor a uma pessoa"

"Se eu fosse esse velhote, gostaria de ter alguém como você para se ocupar comigo"

Eram algumas das postagens que recebia o Teddy, o qual, ao cabo, na solidão do seu escritório, remexeu o rabo e largou um guau que ninguém conseguiu ouvir, mas que significava: "se vocês soubessem como é dura a vida do animal de estimação hodierno".

Frantz Ferentz, 2015