Páginas

domingo, 22 de março de 2015

NO LEITO DE MORTE


Antes de ele morrer, a sua ex-mulher quiso despedir-se dele ao pé da cama. Os dez últimos anos, já depois do divórcio, foram tensos a mais entre eles, até o ponto que ele acabou cortando qualquer canal de comunicação com o seu antigo casal. Ao cabo, as filhas deles já eram adultas e não era preciso para ele aturar mais humilhações da parte dela, porque até depois de se divorciarem, ela continuava a atacá-lo com raiva polo telefone e polas mensagens. Porém, quando ela soubo que ele estava para morrer, quiso vê-lo pola derradeira vez. E quando estevo ao pé da cama, olhou para ele, que estava consciente e dixo-lhe:

━ Podes ir em paz. Eu perdoo-te

E aí ele começou a rever a sua vida com ela em questão de segundos, os gritos que ela lhe deu, as noites que o obrigou a dormir no sofá, as cuteladas constantes à sua auto-estima, as chantagens psicologicas, as ameaças de abandoná-lo... E ele, de repente revitalizado, riu às gargalhadas, porque encontrou tão engraçadas as palavras dela, que nem pôdo evitar rir, esquecendo mesmo que estava no leito de morte. 

Ela virou-se e saiu do quarto indignada, sem compreender o que ele encontrava tão engraçado, mas ele não ia explicar-lho, para quê, ela nunca o daria entendido. Mal ela saíra, ele morria por causa de um ataque de riso.

Frantz Ferentz, 2015

Sem comentários: